quarta-feira, 6 de maio de 2015

O que São Ovários Policísticos?

Síndrome dos ovários policísticos


Segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, 1 em cada 15 mulheres em idade reprodutiva são portadoras da síndrome dos ovários policísticos, responsável por causar distúrbios na menstruação de cerca de 85% das jovens brasileiras.

o-que-e-um-ovario-policistico

Ovários policísticos X síndrome dos ovários policísticos


Uma síndrome caracteriza-se por apresentar um conjunto de sintomas. Já o ovário policístico apresenta um único sintoma. No caso da paciente ser acometida apenas de ovários policísticos, e não da síndrome dos ovários policísticos, o uso da pílula anticoncepcional como tratamento poderá ser substituído pelo controle clínico, isso porque o que ocorre nesse caso é somente a irregularidade menstrual, não manifestando, portanto, a elevação do nível de hormônio masculino no organismo, como ocorre na síndrome.

Para que seja considerado como policístico, o ovário deverá apresentar ao menos 10 cistos, em geral de 8 a 10mm de tamanho. As razões de sua ocorrência ainda são desconhecidas, sendo que é possível sua ocorrência pelo fator genético.

Ainda que o surgimento do ovário policístico possa, em alguns casos, provocar dor, ela não é um sinal típico da doença, já a irregularidade no ciclo menstrual é um prenúncio da doença, sendo importante, neste caso, que se faça uma consulta a um ginecologista, e sejam procedidos alguns exames e uma melhor investigação, para diferenciar casos de cistos hemorrágicos, cistos de corpo lúteo e cistos de ovulação.

No caso da síndrome dos ovários policísticos, esse conjunto de sintomas é composto pela alteração menstrual, sobretudo no que tange ao atraso da menstruação, aumento na quantidade de hormônio masculino, que tem reflexos na voz e provoca também, dentre outras coisas, o surgimento de pelos pelo corpo, espinhas, e estima-se que cerca de metade das mulheres que possuem a doença irão ter também diabetes, hipertensão e dificuldade de engravidar.

São recorrentes as situações nas quais mulheres fizeram uso de anticoncepcionais ao longo de suas vidas e, no momento em que suspenderam a medicação com o intuito de engravidar, se depararam com um quadro de infertilidade. Diante disso, através de investigação médica acabaram descobrindo que portavam a doença e que, mesmo de forma inconsciente, estavam fazendo um tratamento involuntário quando faziam uso de pílulas anticoncepcionais.

Apesar do respeito que os médicos demonstram pela opção das mulheres de priorizarem a carreira profissional, entre outras coisas, em detrimento da maternidade, é importante que se diga que há momentos biologicamente mais propícios para se engravidar.

Mesmo que a mulher não pretenda ter filhos de imediato, é importante que ela faça exames para auferir as condições gerais de seu corpo com vistas à reprodução, para que não venha a descobrir tardiamente um possível problema.

Em que idade surge o ovário policístico?


O ovário policístico é algo que pode acompanhar a mulher desde a puberdade até à menopausa. Há relatos de mulheres que assim que atingiram a puberdade já começaram a enfrentar problemas de atrasos na menstruação, além de haverem percebido outros problemas como cólicas intensas, surgimento de espinhas e de pelos no corpo.

Tratamento


A pílula é o principal meio de tratamento, mesmo para as jovens que ainda não iniciaram sua vida sexual, aliás, a pílula anticoncepcional constitui-se numa boa aliada do ginecologista no tratamento da maioria das patologias cujas causas de sangramentos são conhecidas, como por exemplo, miomas, endometriose etc.

Além da pílula, é necessário fazer um controle glicêmico adequado, haja vista que o paciente poderá ter a chamada resistência insulínica, que é uma intolerância oral ao excesso de carboidrato, prejudicial à mulher. Algumas medicações são administradas como forma de controle, como o hipoglicemiante oral, que atua de forma eficiente tanto no caso de ovário policístico como também na diminuição de diabetes e aumento da fertilidade.

Causas


Não há um motivo específico que justifique por que algumas mulheres têm ovários policísticos e outras não, sabe-se, porém, que existe uma herança genética autossômica dominante com forte influência na incidência da doença.

Em geral, o surgimento de pelos e espinhas acaba incomodando de tal forma que a mulher se sente compelida a buscar orientação médica para o problema, o que não ocorre com a mesma frequência quando o sintoma apresentado é apenas a falta de regularidade da menstruação.

Visite o site a seguir para saber mais sobre sop.

Nenhum comentário:

Postar um comentário